Cachorro em apartamento: 5 cuidados com seu pet antes de se mudar!

Contar com um animal de estimação é muito vantajoso para qualquer família. Além de serem uma companhia para o dia a dia, os pets acalmam, ajudam a aliviar o stress e se adaptam rapidamente ao local. Além disso, a alegria que eles proporcionam aos moradores não tem preço.

Mas ter um cachorro em apartamento exige alguns cuidados, que não só ajudam no bem-estar do animal, como também melhoram a convivência. E se sua preferência é por ter gato em apartamento, também é necessário atenção. Isso porque esses bichinhos têm suas demandas e cuidados específicos, que devem sempre ser observados e levados em conta.

A seguir, apresentamos 5 dicas preciosas para quem deseja ter um pet em apartamento e, ao mesmo tempo, garantir seu bem-estar e respeitar as regras de convivência. Continue a leitura para saber mais!

1. Regras do condomínio

A primeira dica é fundamental para quem vai se mudar para um novo condomínio e não conhece as regras do local. Antes de assinar o contrato e comprar um apartamento, é importante comunicar ao síndico a intenção de ter um cachorro ou gato e também procurar saber quais são as regras específicas para os moradores com pets.

É importante lembrar que a proibição de pets em condomínio é inconstitucional e, portanto, irregular. Mas algumas regras devem ser observadas, como em qual elevador os animais podem ser transportados para suas respectivas unidades autônomas.

Outra possível regra que pode ser imposta nas normas do condomínio é de que forma os animais podem transitar no espaço comum. Algumas possibilidades mais frequentes são de que o bichinho deve ser transportado em caixa própria, no caso de gatos, ou usando coleiras e até mesmo focinheiras nas dependências do condomínio, no caso de cães.

Para o caso de focinheiras, o estado de São Paulo já especifica as raças que devem usar o acessório, de acordo com a lei 11.531.

Outra regra frequente — que, na verdade, é mais uma questão de boa convivência — é evitar que cães e gatos que morem nos apartamentos do condomínio façam suas necessidades nas áreas comuns. Sabemos que acidentes podem acontecer e, na maioria das vezes, nenhuma punição é atribuída ao dono do animal caso ele limpe a sujeira, com o uso do próprio material de limpeza.

Ainda falando em regras da boa convivência, também é imprescindível procurar formas de evitar que os animais façam barulhos demais em casa, para não incomodar os vizinhos, mesmo em horário comercial.

Caso as regras do condomínio não sejam atendidas pelo morador, os síndicos podem aplicar multas, desde que estejam previamente constadas na Circular do Condomínio.

2. Espaço pet friendly

O número de pets em condomínios aumentou tanto que surgiu a demanda por espaços pet friendly nas áreas comuns. Nesses espaços, os animais podem brincar, interagir e se divertir sozinhos ou com os vizinhos, sem a necessidade de usar coleiras ou focinheiras. Mas atenção, pois muitas vezes é preciso seguir algumas regras, como o respeito a horários fixos e a manutenção de vacinas/vermifugação em dia.

Nesses locais, os donos têm mais liberdade para interagir e tirar o stress de seus cães, que voltam mais cansados para seus apartamentos, consequentemente diminuindo as chances de fazerem barulhos em casa, incomodando os vizinhos próximos.

Os espaços pet friendly são uma ótima alternativa, que deve ser considerada por quem está procurando um condomínio para se mudar e vai viver com cães no apartamento.

3. Estrutura do apartamento

Não adianta, por menor que seja o seu cão ou gato, é sempre preciso adaptar a moradia para que ele possa se sentir bem e feliz. Animais em apartamento podem viver tranquilamente sem se sentirem estressados, mas é preciso criar uma estrutura para isso — além de passear com eles, no caso dos cães.

Em se tratando de felinos, isso também é essencial. Instalar telas nas janelas e na varanda e ter um mobiliário especialmente voltado para eles (que pode, inclusive, ser projetado especialmente e sob medida) são apenas algumas dicas para criar a estrutura necessária para um gato em apartamento.

Já os cães têm outras demandas, apesar de também ser recomendado o uso de telas, para evitar acidentes. Para eles, é importante pedir ao arquiteto que escolha um piso que não prejudique a coluna dos animais, principalmente os de grande porte (labradores, goldens retrievers etc.) ou raças que são predispostas a problemas ortopédicos, como buldogues e daschunds.

O contrapiso acústico é uma boa escolha, já que absorve o barulho das patinhas dos cães no chão, evitando ruídos no apartamento do andar inferior.

Outro ponto que deve ser observado é a necessidade de um espaço que seja exclusivo para o cão, para que ele possa se sentir confortável no apartamento. De preferência, escolha um canto que não seja muito distante do movimento da casa, para ele não se sentir sozinho. Contar com um terraço ou espaço na cobertura também é uma ótima opção.

Essas questões podem, inclusive, ser discutidas em caso de apartamentos personalizados, que levam em consideração os desejos e necessidades do cliente.

4. Brinquedos e enriquecimento ambiental

O recurso de usar brinquedos e criar um ambiente enriquecido para os pets ajuda a desestressá-los e, inclusive, pode ser um fator que auxilia a ressignificar a experiência de estar sozinho, para não se sentirem tristes quando você sair de casa.

Esse sentimento pode inclusive levá-los a latir e uivar, na esperança de fazer os donos voltarem, causando transtornos aos vizinhos e aos próprios donos, já que os cães podem desenvolver, inclusive, um transtorno chamado ansiedade de separação, que leva-os a destruir móveis e objetos.

Uma dica que especialistas recomendam é separar um brinquedo especialmente para quando eles estiverem sozinhos. Assim, os cães entendem que ficar só não é algo ruim, pois sempre ganham um prêmio especial. Ao ficarem entretidos, eles relaxam e aprendem a curtir a própria companhia.

O enriquecimento ambiental também deve ser considerado para quem tem gatos em apartamento, já que eles também podem danificar móveis e objetos ao arranhá-los. Por isso, o recomendado é procurar arranhadores em pet shops e deixar esses itens disponíveis para que eles possam usá-los sempre que desejarem e precisarem. Também existem brinquedos especiais para gatos, como bolinhas com guizo, pequenos animais de pelúcia ou borracha etc.

5. Passeios e hábitos

Apesar de já termos comentado ao longo do texto sobre a necessidade de passear com os cães, ainda existem questões que precisamos considerar para a melhor convivência de todos, sejam cães ou gatos.

Desenvolver bons hábitos nos pets, como horários para se alimentar, brincar e passear (no caso dos cães), ajuda no bem-estar e contribui para uma melhor vivência canina e felina em condomínios.

Além disso, um comportamento regulado é bom para o próprio dono, que também se desestressa da rotina e tem novas experiências com seus animais, como os passeios em parques de São Paulo. Para isso, é interessante escolher um imóvel localizado em região que segura e agradável ao pet e ao dono.

Claro que, em uma rotina agitada, nem sempre é possível dedicar um tempo diário aos animais. Por isso, serviços como o de adestramento e de dog walker são cada vez mais requisitados.

Se for o seu caso, procure estes profissionais para auxiliar no bem-estar e no prolongamento da vida do animal, deixando-o mais feliz e mais saudável. Essas dicas, junto a uma alimentação balanceada, têm tudo para proporcionar as melhores experiências, tenha você cachorro em apartamento ou gato em apartamento.

Gostou das nossas dicas para cachorros e gatos em apartamento? Então, não perca as próximas postagens e tenha acesso a todas as novidades: é só curtir a nossa página no Facebook!

Logo