Conheça as novidades tecnológicas na Indústria da Construção

A indústria da construção foi por muito tempo pioneira na criação e implementação de novas tecnologias. Afinal, o objetivo sempre foi não só facilitar o processo construtivo, mas também proporcionar melhorias na usabilidade dos imóveis.

No entanto, apesar dos avanços tecnológicos observados nas últimas décadas, o setor de construção civil muitas vezes tem deixado de se beneficiar das inovações. Segundo o Índice de Digitalização do McKinsey Global Institute, o setor de construção civil é um dos menos digitalizados da indústria, chegando a ocupar o penúltimo lugar nos Estados Unidos e o último na Europa.

Neste artigo, vamos apresentar algumas informações sobre como utilizar a tecnologia na indústria da construção. Você também confere as novidades tecnológicas mais promissoras para o setor e como elas podem aumentar a eficiência dos processos — da gestão à execução do empreendimento. Boa leitura!

Tecnologia para a indústria da construção

Ainda que seja um setor muito tradicional e dotado de técnicas e processos já consolidados, não é mais possível que a indústria da construção deixe de lado os recursos da tecnologia. Isso porque uma das consequências de não acompanhar a evolução é a baixa produtividade.

Segundo relatório “Reinventing construction: a route to higher productivity“, da McKinsey, a indústria da construção cresceu apenas 1% em produtividade nos últimos 20 anos, enquanto a indústria mais tecnológica de modo geral evoluiu 3,6% no mesmo período.

No entanto, atualmente já existem inúmeras novidades tecnológicas que podem facilitar a rotina administrativa e produtiva na construção civil, reduzindo desperdícios nos canteiros e gerando alto valor agregado para os investidores em imóveis.

Durante a Construdigital 2019, foi apresentado o estudo “Tendências globais e disrupções no setor da construção”, que menciona as principais inovações que estarão presentes na construção civil até 2030.

A seguir, apresentamos algumas dessas tecnologias e explicamos de que forma elas podem fazer a diferença para o setor.

Inteligência artificial

A inteligência artificial, ou IA, é a parte da engenharia da computação que estuda como máquinas podem funcionar de forma a imitar o pensamento humano. Estima-se que a IA pode elevar a lucratividade das empresas em até 38% até 2022, segundo um relatório da Accenture sobre força de trabalho do futuro.

Em se tratando especificamente da gestão de obras, a inteligência artificial pode auxiliar sobretudo na experiência do cliente. Essa, inclusive, tem sido a principal aplicabilidade da IA em qualquer setor, com 20% de uso, segundo um levantamento da Associação Brasileira de Software (ABES), em parceria com a IDC.

Mas essa não é a única possibilidade de uso da inteligência artificial na construção. As perspectivas são de que a IA também passe a ser utilizada na manutenção e análise predial preventiva, assim como na segurança do trabalho e na substituição de alguns colaboradores no canteiro pelo uso de robôs.

Big Data

A Big Data é uma tecnologia que permite coletar, armazenar e analisar dados, independentemente do volume. Essa inovação tecnológica representa um avanço para empresas que fazem pesquisas de mercado na construção civil.

Os projetos também podem ser beneficiados com a Big Data. Podemos citar como exemplo a economia de tempo obtida com um computador que analisa previamente as plantas e identifica os ajustes que precisem ser feitos, antes mesmo de a obra começar. E quem lida com desafios diários no canteiro sabe que uma estratégia como essa pode levar a uma economia de milhares de reais.

Ainda segundo o relatório da ABES/IDC, que também tratou sobre a IA, a Big Data terá maior crescimento nas áreas de planejamento da cadeia de suprimentos estendida e automação de operações.

Gestão de projetos em nuvem

A chamada Internet das Coisas (IoT) crescerá 20% ao ano até 2022, somente no Brasil, segundo o relatório da ABES/IDC. Nesse contexto, a gestão de projetos em nuvem tem muito a contribuir para a indústria da construção.

Uma das vantagens é a possibilidade de consultar projetos no canteiro, a partir dos arquivos salvos em nuvem. Quem tem mais tempo de experiência na área pode se lembrar das dificuldades que eram enfrentadas quando, na época em que não havia computadores nas obras, era preciso consultar um projeto. Hoje, graças à tecnologia, essa realidade já pode ser bem diferente.

Robôs autônomos no canteiro de obras

O mercado da construção civil americano e japonês já conta com robôs autônomos em canteiros de obras. Além do aumento da produtividade na execução de tarefas rotineiras, com essa tecnologia de ponta existe também o ganho na padronização dos processos e das atividades.

Ainda segundo o estudo “Tendências globais e disrupções no setor da construção”, o mercado global de robôs para construção chegará a 166 milhões de dólares até 2023. Os grandes players dessa tecnologia são empresas como Caterpillar (EUA), TopTec Spezialmaschinen (Alemanha), Husqvarna (Suécia) e outras dos EUA, Japão e Austrália.

Atualmente, a maioria dos robôs utilizados são voltados para as etapas de superestrutura e levantamento de alvenaria.

Projetos sustentáveis

A demanda por projetos sustentáveis aumentou na última década. Soluções para uso de energia solar, captação de água da chuva e green building não só estão sendo mais procuradas como podem ser fator decisivo para alguns clientes.

Por isso, certificações como o LEED serão cada vez mais procuradas no setor da construção civil, assim como o uso de materiais sustentáveis e com melhor desempenho. Alguns exemplo são tijolos que absorvem poluição, concreto autocurativo ou reforçado com fibras de carbono e tubos de PVC-O.

BIM

O Building Information Modeling (BIM) é uma tecnologia da década de 1980, mas que só passou a ser utilizada de forma mais efetiva nos últimos anos. Hoje, esse é um diferencial que agrega valor a obras dos mais diversos portes.

Segundo um manual do SEBRAE sobre o tema, com o BIM há 33% de redução no tempo de execução de uma obra e 38% menos reclamações após a entrega. Por esse motivo, o BIM é uma das tecnologias que mais serão adotadas pelas construtoras nos próximos anos, sendo tema de inúmeras conferências ao redor do mundo, como a Year in Infraestructure 2019.

Com o BIM, a partir de modelos 3D ou 4D, são detectadas falhas que não seriam tão rapidamente percebidas pela análise de projetos, sem a modelagem. Assim, é possível identificar tubulações na mesma altura de vigas ou pontos elétricos em cima de paredes de alvenaria, por exemplo.

Outra vantagem do BIM é que, juntamente com a compatibilização dos projetos, ele organiza as informações referentes à construção e as disponibiliza para todos os setores interessados. Assim, favorece a integração entre todas as equipes.

Uso de software

Há muito tempo a construção civil se beneficia de diferentes softwares de projetos, como AutoCad e Revit. No entanto, já existem outras soluções que muito auxiliam a indústria da construção.

As chamadas ConTech startups (voltadas para a tecnologia da construção) estão em franca ascensão desde 2009, com crescimento médio de 30% ao ano. Segundo estudo da CB Insights e da JLL Research, o investimento total já ultrapassou 4.34 bilhões de dólares.

Como você viu, a indústria da construção não pode abir mão de todas as inovações tecnológicas que têm à disposição. Afinal, elas proporcionam vantagens competitivas, otimizam o trabalho de gestão e possibilitam a entrega de obras de alta qualidade.

Gostou deste post? Quer receber diretamente em sua caixa de e-mail mais informações relevantes sobre a indústria da construção civil? Assine a nossa newsletter agora mesmo!

Confira 6 dicas para escolher o melhor apartamento para famíliaPowered by Rock Convert
Logo